Chama Azul da Vontade Divina

chama azul.jpg

A Chama Azul impulsiona a destruição da forma obsoleta, purificando o necessário para que o novo possa ser criado, em todos os níveis. O seu guardião é o Mestre El Morya, os seus Arcanjos Miguel e Fé e os seus Elohins (construtores de formas) Hércules e Amazónia. Este raio é excelente para ajudar a remover medos; entregar-se à vontade de Deus, da nossa presença divina; obter estrutura emocional; poder pessoal; foco; força de vontade para cumprir a missão de alma.

NOTA: Este é o raio da política, governação, militares, administração (que tem sido mal usado no planeta). É o raio que mais foi distorcido: mau uso das palavras (não-amorosas ou compassivas); controlo e manipulação; orgulho; teimosia; arrogância; falta de confiança em Deus; temer a Deus; negar a existência de Deus; medo; frieza; impulsividade; mentalismo; dogma.

A experiência da "separação" do divino permitiu-nos experienciar o oposto. Como é possível realmente conhecer a Deus, a nós mesmos, sem saber o que é não conhecer a Deus? O que primeiramente começou como um medo e dúvida pequena, tornou-se numa grande falta de confiança em Deus, em nós. O nosso teste agora é permitir-nos confiar de novo no divino e curar a consciência (curar o carma) que criou a "separação" de Deus. À medida que descascamos as camadas de mágoas e traumas do passado, muitos de nós descobrimos que temos uma falta de confiança em Deus e Espírito. Para muitos de nós "rendermo-nos" à vontade divina é uma proposta assustadora (pela ideia submissiva passada pelas religiões).

Adaptado do livro "As Sete Chamas Sagradas" de Aurelia Louise Jones

Dica: Os pensamentos e expetativas são o mais difícil de controlar. A disciplina tem de vir pelo coração e pela entrega à vontade divina. Sugere-se o uso dos raios (que o coração sentir) durante, pelo menos, 21 dias seguidos. Este é o número de dias que permite a reprogramação da mente.

Neste vídeo, encontrarás uma meditação guiada ao Templo da Vontade Divina, na cidade Lemuriana de Telos, na 5D: 

ARQUIVO